Tuesday, September 19, 2006

Essa coisa chamada Silêncio



Quando decidi criar este blog prometi desde logo que só escreveria quando tivesse algo para dizer e assim fiz. Durante este dois meses não tive grande coisa para dizer porque aconteceram coisas demais para ter tempo de aqui as revelar.

Contudo , ao contrário do que se pensa, não estive parado durante este tempo e todos os dias, num outro blog escrevo diariamente sobre o tema que se propõe : provaoral.blogspot.com. É este o nome do programa de rádio, onde me podem encontrar de segunda a sexta entre as 19 e as 20 na Antena 3.

E é sobre rádio que vos quero falar, da paixão que esta forma de comunicar exerce sobre mim e que tem vindo a perder alguma da influência que já chegou a ter há anos atrás. Não é que agora não tenha - é claro que ainda tem - mas com o aparecimento da televisão e o seu lógico desdobramento em canais de cabo, noto que a rádio é uma espécie de parente pobre . É comum ouvir-se falar sobre o bichinho da rádio e quando questionados sobre qual o meio que preferimos. Rádio ou Televisão? Quem começou na rádio, invariavelmente não esconde a sua preferência pela primeira, o que não quer dizer que não se goste de fazer televisão.

Eu gosto de ambas - admito, mas a rádio ... a rádio é de facto diferente. Desde os 13 anos que faço ráio e não queiram saber o quanto ainda me dá prazer falar todos os dias para pessoas que não vejo mas que advinho do outro lado. Como serão ? - pergunto-me. Onde estarão elas a ouvir-me agora?

Na maior parte das vezes, não sei porquê, imagino-os os ouvintes na estrada, a conduzirem um carro ou apenas e só a viajar no carro numa daqueles estradas dos filmes do Lynch enquanto me ouvem e de preferência se riem com aquilo que digo. Gosto de acreditar que de vez em quando tenho piada. De resto, melhor do que ter piada ou não , é perceber quando a tivemos ou não e percebermos que quando deixarmos de conseguir fazer esta avaliação, estamos a um passo da decadência.

Mas não é disso que quero falar, gostava de destacar a impressão que me faz o silêncio. Palavra. Se há coisas que não suporto , uma delas é o silencio da rádio ou mesmo o silêncio numa mesa de jantar por exemplo. E no entanto, até gosto de estar calado muitas das vezes, mas se estou numa emissão de rádio ou num jantar com outras pessoas, se momentaneamente todas se calam, garanto-vos que eu sou o primeiro a quebrá-lo, a quebrar o silêncio, fazendo com que à custa disto já tenha dito os maiores disparates da história- desculpas dirão!. Mas acreditem que falo a verdade, basta que surja o silêncio e digo algo como: " Esperem lá, outro dia contaram-me uma história - e neste momento eu não sei o que vou dizer - uma história incrível, digo - claramente em busca de algo - eu sinceramente não sei quem é que me contou mas acho que ... acho - estou a tentar ganhar tempo à procura de alguma coisa - e aí , como que por magia, lembro-de de uma história qualquer que por me milagre me assalta e que normalmente não tem grande nexo ou com frequência é um perfeito disparate.

Na rádio, as coisas agravam-se ainda mais e não são poucas as vezes que abro o microfone sem ter mínima noção do que irei dizer mas sempre, sempre, com a esperança que algo surgirá no segundo depois de ter pensado nisso. E felizmente, surge mesmo.

Acho que já o perceberam, incomoda-me o silêncio. Como já muitos o disseram, por vezes o silêncio pode ser ensurdecedor e eu mastigo, eu trinco o silêncio antes que este me liquide. E no entanto, quando vou ao cinema gosto de ficar em silêncio, e no entanto, quando vos escrevo não gosto sequer de estar a ouvir música, e no entanto, se vamos com aquela pessoa, gosto de muitas das vezes ficar em silêncio sem que isso magoe, sem que isso incomode, como se fossem muitas palavras, como se aqui o silêncio fosse apaziguador e provasse, ao não causar estranheza ou qualquer desconforto, que a relação faz-se de silêncios destes. E era tudo.

65 comments:

  1. O silêncio. Poucas são as palavras que pronunciadas fazem eco, mas esta é uma delas. É como se atirasses uma pedra a um lago e ficasses a ver superfície ondular, assim é quando os lábios pronunciam "silêncio". É como um feitiço...
    Os silêncios são como o dia podem ser claros e cheios de luz ou escuros e assustadores. O outro lado do silêncio é aguçado como tenazes é faz o ar suspender caminho na garganta. É um silêncio que nos faz baixar os olhos e morder o lábio, quando alguém bate com a porta, quando o telefone chama e ninguém atende, quando os talheres e os traseiros se remexem nas cadeiras e os olhares são duros como pedras, quando um mendigo te estende a mão, quando a resposta não chega, quando chegas a casa e não há ninguém à espera...
    Mas há os silêncios que nos acendem por dentro, aqueles feitos de momentos partilhados, cúmplices em que as palavras sobejam ao olhar e os gestos nos atam como laços. É assim acordar nos braços de quem amas, é assim sentir o coração bater, é assim ouvir uma música, é assim escrever, é assim caminhar ou olhar do alto do castelo a cidade estonteante, é assim abraçar um amigo, é assim um beijo. Aqui fica o meu para ti.
    Kátya

    ReplyDelete
  2. Que texto sério... estou silenciada com tanta profundidade..

    ReplyDelete
  3. "...que a relaçao faz-se de silêncios destes."
    Bonito mesmo!!
    já tinha saudades de ler 1 texto teu!!

    ReplyDelete
  4. pois...
    imaginas e imaginas bem!
    Dou por mim numa fila gigantesca daquelas da vci em dia de chuva, a rir á gargalhada e a culpa é tua..
    A prova oral sem ti não seria a mesma coisa, tens uma criatividade e até acho que curiosidade. Quando te vejo, ouço, leio, sinto como se tivesses tão motivado como no primeiro dia que começaste.
    Queres saber tudo, falar de tudo.
    Dizes que gostas de quebrar o silêncio e não é k o fazes com todo o jeito? ;)
    O que seria de mim numa viagem por 20 minutos que sejam, sem uma voz que eu consigo identificar na perfeição, que me faz rir, pensar..Tudo!
    È mesmo isso, eu sei ke sabes, mas vou dizer-te que podes ir para casa com um respirar de alivio pq talvez tenhas salvo mais pessoas que um médico. E falo só de hoje, imagina o teu dia-a-dia! Já pensaste que as pessoas dependem de ti? Que mesmo nao estando nunca contigo pessoalmente, apreciem a tua companhia?!
    A importância que te dou é tanta que resolvi escrever aqui, para te dizer que logo lá estarei, no meu carrinho (oxalá sem filas) a escutar tudo e mais alguma coisa para me dizer.

    Sabes que mais?
    Adoro comentar os filmes quando ainda estou na sala...sim, eu sei que devia primar pelo silêncio. Mas é mais forte que eu.
    E tu?

    ReplyDelete
  5. Olá,
    Nunca comentei, mas hoje não resisto a dizer-te, a propósito do teu post, que ainda bem q preferes a rádio, porque eu tb te prefiro na rádio. "Conheci-te" na rádio e gostei muito, depois, qdo apareceste na telivisão, comecei a embirrar contigo (sorry!), para logo te perdoar quando te oiço na rádio :)
    Beijinhos....

    ReplyDelete
  6. Gosto sempre de ti,m confesso que te prefiro na rádio...tem aquela magia, que a tv desvenda.
    Mas ainda gosto mais de ti quando escreves.Tive saudades durante a tua ausência.
    E, para qdo um novo livro?

    =)
    Beijo grande

    ReplyDelete
  7. Grande post sim senhor alvim.Valeu mesmo a pena a espera como sempre.ve la se vais aparecendo mais para quebrares o silencio constante neste blog,uma vez que as tuas piadas aqui escritas,nos fazem rir ainda mais se estivessemos a ouvir radio.Acredita.QQ dia passo la no CC.grande abraco e continuacao de um optimo trabalho

    ReplyDelete
  8. Ainda bem que não preparas os teus programas... afinal as coisas correm sempre tão bem! Preparar até podia estragar!
    Bjs.

    ReplyDelete
  9. Como eu sei do que falas...
    Se á primeira oportunidade eu aceitei, sem condições... pagando até, para acordar às 5:00 passar a Vasco da Gama e às 6:00 dizer "são 6:00 da manhã Bom dia"
    Como é otimo e estimulante imaginar quem está do outro lado! Falando daquilo que acredito mas sempre com o sorriso de uma criança que abre um presente pelo o Natal...
    Tenho que confessar que tenho de esforçar-me bastante para não imitar a tua maneira de locução... mas tb confesso que por vezes não consigo...ihihi


    PS Não digo qual a Rádio, pois só de pensar que um dia poderias ouvir-me...fico sem voz! eheheh
    Aquela piado onde de manhã sobres as camas de Paços de Ferreira foi genial ehehehhe
    Um abraço

    ReplyDelete
  10. Alvim,

    A propósito de silêncio recordo uma "fala" da Uma Thurman no filme Pulp Fiction. Numa viagem de carro a personagem do John Travolta, mostrava-se inquieta por causa do referido silêncio... Ao que ela responde: "Encontras alguém especial, quando consegues partilhar o silêncio com conforto".

    ReplyDelete
  11. Acho que tanto na rádio como na TV ficas bem já provaste ser um comunicador e animador nato, agora penso que tens gerido bem a tua carreira ao no caso da TV não cansares o publico com tanta expossição como outros o fazem, mas acho que a rádio é a tua grande "paixão" ou estou enganado.
    Aproveito para pedir se possivel para continuares a fazer o programa da manhã Antena 3, tu e o Markl juntos são espectaculares uns "perfeitos anormais"

    ReplyDelete
  12. Ninguém põe este homem a presidente? atrevo-me a ser criticado, e talvez julgado de louco por mais de 90% da população, mas mesmo assim mantenho a minha pergunta: "ninguém põe este homem a presidente?".
    Talvez porque tal maneira de pensar talvez não nos fizesse mal de todo, e quando digo nós refiro-me a este nosso Portugal, que por vezes vê talentos, qual Fernando Alvim, a evaporar-se para países mais ou menos vizinhos, e mostrar dotes de louvar aos deuses....
    Merecias no mínimo, uma medalha de mérito nacional, pelo serviço público que prestas....

    Um muito obrigado e um bem haja

    ReplyDelete
  13. Gostei do texto! Já começava a pensar que não voltavas... Tens razão o silêncio às vezes incomoda (se associado a solidão ou constragimento) outras vezes não e é bom "ouvi-lo" :)

    ReplyDelete
  14. Já tinha saudades de ler qualquer coisa nova publicada por ti... Cansada do silencio! bjs

    ReplyDelete
  15. amigo Alvim.
    a rádio não morre.

    eu e o junqueira temos duas horas semanais na novíssima química fm.
    faz favor de ouvir as 2 emissões já gravadas:

    http://trianguloescaleno.podomatic.com/

    abraço
    jg

    ReplyDelete
  16. Apetece dizer cala-te!

    Mas não continua, não és do grupo da decadência.

    Abraço

    ReplyDelete
  17. Pensava que estava sozinho no clube dos-que-para-evitarem-o-silêncio-fazem-figuras-de-urso, mas ainda bem que não.

    ReplyDelete
  18. Alvim, és o best. Tens uma grande sinceridade.
    Felicidades pa tua carreira. a proposito k vais fazer na televisao para alem do "prazer dos diabos", quando acabares de apresentar o CC?
    abraço

    ReplyDelete
  19. Bem vindo,
    Embora sinta que estás sempre presente.
    Quando alguem diz, que ninguem é omnipresente, apetece-me logo dizer: "eu conheço uma pessoa que é".Estás em todo o lado. Quando tenho tempo, para um intervalo, ligo-me á sic radical e começo a ouvir uma "gaita" e lás estás tu, ao fim do dia quando consigo ir para casa a horas decentes ligo a rádio e lás estás tu a fzer provas orais, com óptimas notas, de resto, à noite se é quarta-feira...Alvim de novo e agora descobri um dia destes que até de manhã tu me apareces.
    Mas, de facto, a tua voz persegue-me e faz-me falta.
    Ainda bem que, pelo menos existem pessoas, como tu, que mesmo que estejam tristes têm a capacidade de fazer com que o dia dos outros não se transforme numa grande perda de tempoe que os lembre que rir é sempre o melhor remédio para continuar em frente.
    Quanto ao silêncio por vezes é extremamente precioso e necessário.
    Obrigada pela tua omnipresença, senhor!

    ReplyDelete
  20. ao ler este texto só tenho uma coisa a dizer. Que o estridente silencio nunca te silencie

    ReplyDelete
  21. Querido Alvim,
    Gostei de saber que imaginas os teus ouvintes...Então também imaginas que vou no carro e "vejo" que és tu que lá estás e faço logo cara de menina com o coraçãozinho aos pulos o que enfurece tremendamente o condutor ao meu lado que diz "tão lindo que ele é" e eu fico à espera que ele mude de rádio, em cólera, mas sabes isso não tem acontecido!...Ele já gosta de te ouvir (quase) tanto quanto eu.
    Gosto do Charme de homens que falam e nunca mais se calam e procuram esmagar os silencios dos outros, como descreves. Mas gosto também do Charme do silêncio das tuas frases, que ecoam cá dentro e que desejamos que tivessem sido escritas para nós.
    Bjs Alvim

    ReplyDelete
  22. Vows are spoken
    To be broken
    Feelings are intense
    Words are trivial
    Pleasures remain
    So does the pain
    Words are meaningless
    And forgettable

    All I ever wanted
    All I ever needed
    Is here in my arms
    Words are very unnecessary
    They can only do harm

    Enjoy the silence

    *s
    c.

    ReplyDelete
  23. Pois é Fernando, o silêncio é tão importante como o ruído. E, como é óbvio, ambos dependem um do outro.
    Acho piada quando falas sobre a rádio, porque muitas vezes suspiras ou ris ao microfone, mesmo quando ainda não começaste o programa e nota-se perfeitamente que és tu, sem chegares a proferir uma palavra, sendo q para ti até podias considerar que estavas em silêncio.
    De qualquer forma, queria ainda perguntar-te se conheces aquela máxima (salvo erro introduzida por um filme) que diz que só nos damos bem com uma pessoa quando conseguimos estar em silêncio com ela.
    Beijinhos e abraços

    ReplyDelete
  24. o silêncio é um pau de dois bicos, mas é sempre precisoo!
    Admiro o teu trabalho Alvim, fazer 3 programas por dia é impressionante!
    As manhãs das 3 tiveram uma alma nova nestes dias! Parabéns
    Vens a Aveiro na semana de recepção ao caloiro? =)

    visitem

    http://meucantosagrado.blogspot.com/

    ReplyDelete
  25. freirinha diabólicaSeptember 20, 2006 7:46 PM

    E ainda bem k dixidis.t kebrar o teu silêncio...
    Fui na tv k t descobri, mas fui na rádio k captas.te a minha atenção.
    Hoje em dia n despenso nem de te ver, nem de ter ouvir, ker keiras ker n paxas.t de certa maneira a parte ds noxas vidas!
    És um génio multifacetado, fazes o k gostas, e tens o privilegio de seres majestosamente mt bom no k fazes, por td o k tens feito OBRIGADA!

    ReplyDelete
  26. freirinha diabólicaSeptember 20, 2006 7:48 PM

    erro, sorry

    paxas.t de certa maneira a fazer parte das noxas vidas!

    ReplyDelete
  27. Amaaaazing! Just as always..just as you are:)

    ReplyDelete
  28. Vi o teu blog num outro que custumo visitar e decidi vir cá dar uma espreitadela. Só queria dizer que gostei bastante do que escreveste aqui e que também adorava fazer rádio!
    Fika bem, continua...

    ReplyDelete
  29. padeiradealjubarrotaSeptember 21, 2006 12:01 PM

    O silêncio é ouro. Só é asfixia se o consentirmos.

    ReplyDelete
  30. Não consegui deixar de esboçar um sorriso ao ler o teu texto, e explico porquê.

    Apesar de ter sido uma pergunta de retórica, e apesar da imagem dos filmes de David Lynch poder corresponder à realidade, agora fecha os olhos... e imagina alguém bem longe de ti, porque tal como eu, certamente há mais pessoas a ouvir rádio on line.

    Por várias vezes me interroguei se saberias quem te ouvia, e obtive resposta mesmo sem perguntar nada directamente.

    Quando a saudade aperta, rir de manhã com as Manhãs da 3 e ao final do dia com a Prova Oral, ajuda a apaziguar o vazio, e é também uma forma de me sentir mais próxima de uma cultura "naturally cool", expressão utilizada por uma amiga inglesa.

    A espanhola e a australiana com quem vivo, acham piada quando me vêem rir sozinha enquanto tomo o pequeno almoço. E apesar de não perceberem uma única palavra tenho a certeza que já se habituaram à vossa voz... Obrigada!

    O que me remete para o silêncio, ou melhor, a falta de tema de conversa, que conduz a uma ausência de palavra, e tenho a certeza que aqui não estás sozinho, ao ponto de pessoas que não me conhecem ficarem com ligeiras dúvidas quanto ao meu estado de pré-adulta /adulta, ainda não me decidi. Mas não importa!

    O silêncio a dois, esse, acredito que representa tranquilidade e conforto (podia ser o slogan de uma agência de seguros). Sabe bem saber que não é preciso dizer nada, basta um olhar, um sorriso. Significa que a estabilidade, o equilibrio e a harmonia estao instaladas.

    ReplyDelete
  31. Gostei realmente do post porque fala de duas coisas que admiro: rádio e silêncio.
    Rádio porque transmite uma magia imensa: comunicar com pessoas que nunca sonhámos que pudessem existir. A imaginação apodera-se de nós, fazendo-nos libertar todas as nossas capacidades intelectuais.
    Por outro lado o silêncio. Já pensaste quantas vezes tantas coisas podiam ter sido evitadas se o silêncio estivesse presente? Eu penso que este deve ser usado como um ingrediente, na medida certa, não caindo na tortura infernal de um momento gélido que teima em não passar. São duas realidades opostas que não têm qualquer tipo de união, mas que ambas têm de existir.

    Continua a escrever! *

    ReplyDelete
  32. Grande Alvim e grande post...gostei muito!!

    Já agora para quando um ingresso definitivo nas manhãs da antena3?? Gosto muito da Raquel, mas tu e o Markl...Magia pura.

    Obrigada por preencheres o silêncio das minhas viagens.

    ReplyDelete
  33. Cada vez fico mais surprendida..até diria k não és tu a escrever estes posts!!! Pelo k transpareces na radio e na televisão....continua assim eu tb prefiro a rádio não perco o teu programa e farto -m de rir ( ainda m lembro de uma história k contaste na radio sobre um restaurante no norte "aqui temos lorde" foi no momento certo e teve a sua piada!!!).Jitos e escreve mais aasim k possivel

    ReplyDelete
  34. é com cada urso!!

    ReplyDelete
  35. Capitão a rádio um dia terá uma parceria nossa! Assim como as noites loucas!
    Um abraço e que o silencio continue a invandir te nas horas do sono... !

    ReplyDelete
  36. sílvia magalhãesSeptember 22, 2006 2:44 PM

    Hamlet diz, mesmo antes de morrer "e o resto é silêncio".

    O silêncio é muito bom, quando somos nós que o determinamos. Julgo que o silêncio incómodo é aquele que surge porque não temos mesmo nada para dizer e essa falta de assunto envergonha-nos, mesmo quando é com alguém que nem sequer conhecemos (aquela coisa horrível que é chegar à paragem do auto-carro e dizer "bom dia" e a pessoa que lá está responder simpaticamente "está de chuva, hoje,..." e pronto, a parttir daí ficamos obrigados a estabelecer um diálogo com alguém a quem não temos nada para dizer...
    Os silêncios naqueles momentos em que estamos com a pessoa de quem gostamos são bons. Porque não acontecem por não haver nada a dizer... a mil coisas a dizer, mas queremos aproveitar ao máximo o silêncio...
    Eu falo muito. Falo mesmo mesmo muito. Por isso, muitas vezes, gosto muito de estar calada (e forço-me a isso), porque é bom, é muito bom ouvir, mesmo que seja nada. E é bom olhar e tentar ver, em vez de perguntar...
    Os silêncios que causam medo, quando alguém nos olha e não diz nada, gosto desses, os silêncios pós-extase, que são um suspiro de bom e de paz, destes também gosto, os silêncios de tristeza, porque a dor é tão grande que não suporta palavras...
    E os silêncios totais (porque quando não há som, há, muitas vezes, movimento, cor, luz) de nós comnosco, no escuro...
    E os silêncios a que eu me obrigo, Fernando Alvim, quando regresso a casa no auto-carro e no combóio, a ouvir a prova oral no MP3, e só me apetece rir à gargalhada, mas não posso (apesar de por vezes acontecer), porque todos me olham com intriga ("porque tanto sorri a rapariga", devem pensar...). Às vezes devem julgar que sorrio para eles (como ontem, quando ouvia alguém a dizer que gostava de umas boas palmadas...) e reparo que o senhor sentado no banco em frente a mim me sorria como se me estivesse a responder ao sorriso maroto que eu esboçava sem dar conta... (e eu com vontade de fugir de repente).
    Os silêncios são muito bons, porque, na maioria dos casos, têm muita vida escondida, têm segredos a latejar.
    Os silêncios maus, são quando já tudoi acabou, quando o resto é silêncio...
    (e sobre o silêncio há realmente tanto que apetece dizer...)
    Beijos
    Sílvia

    ReplyDelete
  37. Sílvia MagalhãesSeptember 22, 2006 2:47 PM

    errata : há mil coisas a dizer (esta doeu...)

    ReplyDelete
  38. Alvim eu ouço radio em qualquer lugar que esteja, e na semana passada ouvi-te ao acordar, acordei a ouvir-te despi-me fui tomar banho puz os cremes, vesti-me, olhei-me ao espelho, penteei-me, tomei pequeno almoço e foram as melhores manhãs do ultimos 3anos, tu e o Nuno juntos são o ideal, pena ter sido tão pouco tempo....
    Beijos
    Olinda Dinis

    ReplyDelete
  39. Como dizia alguém nestes comentários tambem eu fui surpreendido pelo teu post.quase 10 anos após te ter conhecido e... sem duvida que foi muito bom ouvir-te nas manhãs da 3 mas sei que seria impossivel manteres esse horário.nem te quero mal assim porque acordar de madrugada não faz bem o teu genero,Pois não?...
    Mas olha que por vezes (já dizia a minha avó) o silencio é ouro.Akele abraço desde o Algarve , Filhó

    ReplyDelete
  40. Alvim, és um gaijo cheio de sorte (?!?): é quase só gaijas aqui a babarem-se pra ti, ahn meu magano dum cabrão!!! É assim mesmo!!!

    Aquele abraço

    ReplyDelete
  41. Silêncio?!!

    Então CALA-TE!

    ReplyDelete
  42. Caro Alvim,
    finalmente boas novas!!
    confesso-me uma grande fã... a grande maioria dos meus amigos não te curte muito e isso irrita-me profundamente... como não?! o que há para não gostar neste ser?!
    as únicas alturas em que oiço rádio é quando conduzo e confesso que quando oiço a tua voz, o sorriso abre-se e assim que acabas de dizer um disparate qualquer a questão coloca-se novamente: Como é que é possível que os meus amigos não curtam este gajo??!!!

    durante muito tempo achei que seria um bocado parvo da minha parte dizer que te admiro imenso e que és sem dúvida alguma um dos meus radialistas preferidos e todas as rádios por onde tens passados ganham imenso assim como as equipas com quem trabalhas...
    mas ao ler este teu post sobre o silêncio achei que tinha de quebrá-lo e dizer qualquer coisa.
    pois aqui fica:
    continua a fazer-me rir com esse sentido de humor extraordinário, com aqueles comentários que não lembra o diabo, com boa música e boa disposição.

    já agora, podendo não ter nada a ver com nada, mas já que aqui estou...
    "Estrela da Tarde" é sem dúvida alguma uma das músicas mais bonitas que alguma vez se fez em Portugal e há anos que é uma das minhas favoritas... não estás sozinho!

    Fica bem,
    Ana ")

    ReplyDelete
  43. olha alvim, não gosto dos domingos e tb não gosto de silêncios, gosto de rádio mas tb não vou babar-me toda aqui a convencer-te ainda mais...continua.

    marisa

    ReplyDelete
  44. Eu oiço-te na estrada, sozinho, a conduzir por estradas da província, e oiço tudo. Ler é mais complicado, depois de 5 linhas uma pessoa cansa-se. Escrever em silêncio, sim. De facto, quando escrevo, necessito de silêncio. Vou lendo o que escrevo e "torturando" o estilo, em busca de ritmo nas frases. Se há música torna-se difícil descobrir esse ritmo. [[[]]]

    ReplyDelete
  45. Alvim, continuo a dizer e a poder dizer que o teu livro marcou-me...à pouco tempo estava eu a rondar Viseu e a ouvir a prova oral e n é k estava la uma senhor jose n sei o k martins k afinal tb é Jesus...mas n é nda disso, acerca dakele sujeito africano-ou uma nacionalidade proxima desse continente-um escritor chamado Fernando Alvim, tu tb és um eximio escritor... =D!!!

    Mas, pensando melhor...tu gostas de Marante? =s...ok ok, a velha story do irritantezinho cliché(tds os clichés são no min irritantes)"gostos n se discutem"!
    É bom ouvir-te de mnha ou na prova oral, é bom ver-te dá-me um prazer dos diabos (piada fácil) e é tão bom ler-te!

    beijinhooo. . .como gostava de alguma fez exercitar uma parte de mim na rádio, adoro música...adoro ter conhecimentos relacionados com música...tentar fzr criticas que mais tarde possam ser comparadas a reais críticos ligados a esta área...mas como quero algo relacionado com a economia e seus derivados tenho que matar parte de mim para n vir a ser uma profissional frustrada!

    és nakilo k fazs, pelo menos assim o acho =)

    ReplyDelete
  46. Ora muito bem, eu gosto do silêncio, aprendo com o silêncio.
    Em relação á radio confesso, a 1ª vez que te ouvi pensei, "mas quem é que é este gajo armado em engraçado?" Mas logo percebi que tu és grande, não conheço ninguem como tu, com essa energia, com esse karma, obrigado por existires.

    PS: Já acompanho a tua carreira desde os primeiros tempos da comercial, sou um fã incondicional, que a fama nunca te suba á cabeça...

    Abraço

    ReplyDelete
  47. 47comments em 6 dias... alguma coisa haverá de querer dizer..!!!

    keep in the good mood...

    as q têm + piada são as q ñ dizes.. akelas [até tu] achas q são um abuso...:D!!

    ReplyDelete
  48. O silêncio só existe se nos limitarmos à definição técnica do termo: ausência de ruído. Como eu o entendo não existe. A necessidade que temos por vezes de estar em silêncio surge apenas porque temos necessidade de nos ouvirmos a nós próprios, e se nos ouvimos não há silêncio apenas ausência de ruído.
    Celisol

    ReplyDelete
  49. muito bom. postas pouco mas postas bem.

    ReplyDelete
  50. Gosto da tua forma de escrever. beijo.

    ReplyDelete
  51. O que te vale é que, mesmo escrevendo de mês a mês, quando o fazes sabe mesmo bem ler o que escreves!
    Eu vejo-te na televisão, e já percebi que não aprecias silêncios. Nessas ocasiões, és um autêntico palhaço, e ainda bem!

    ReplyDelete
  52. Adoro a tua "incontinência verbal"...
    Adoro a forma metafórica da tua escrita...
    Adoro a simplicidade complexa na tua forma de ser...
    Adoro a forma como gesticulas essas pequenas maozinhas enquanto falas...
    Adoro a forma como te entregas às pessoas e à vida...
    Adoro ouvir-te em directo, em diferido, nem que seja por dizer um simples "hmm"...
    Adoro os diferentes formatos que tens provocado no meu so(riso)...

    E Adorava conhecer o teu lado silencioso...

    Todos precisamos "dele", nem que seja para nos purificar a alma...

    Bj
    Rita

    ReplyDelete
  53. o alvim vai casar-se ele disse-o em directo e tudo.

    ReplyDelete
  54. Alvim...o silêncio acerca-se de mim perante o que acabo de ler.
    Quero dizer-te que ao contrário do que imaginas, foi numa desconsolada tarde que ao ligar a aparelhagem do meu quarto e sintonizar na Antena 3, te descobri!Desde logo achei que a tua genialidade era algo de extraordinário, algo diferente do que estamos habituados a ouvir por aí.Eras (e és) um génio da comunicação!Em todas as tardes que se seguiram a essa as paredes do meu quarto habituaram-se ao eco da tua voz.
    Apenas tempos mais tarde, enquanto fazia zapping com o telecomando te encontrei na televisão.Mesmo antes de ter a confirmação soube que eras tu...Era a voz do rapaz dos meus finais de tarde.Tinha então acabado de descobrir um novo vicio.
    Quanto ao silêncio deixo-te algo que ouvi por aí:"O silêncio em excesso pode ser fonte de sofrimento...mas todos precisamos de silêncio.Os artistas para criar e os monges para rezar.Deus inspira-nos no silêncio e gosta de estar connosco a sós"
    O silêncio é na minha opinião precioso.Não falo do silêncio destruidor, incómodo.Falo do silêncio que apazigua, que nos obriga a pensar na nossa existência...falo no silêncio que nos dispensa as palavras.
    É essencial ouvir o silêncio no meio da agitação para que este não nos mate...Porque o silêncio mais destruidor não é o que cala uma multidão mas o que reina no meio de mil falas.
    Por fim, Capitão, que o silêncio nunca te cale!Que tenhas sempre o maior disparate para dizer.Porque foi assim que te distinguis-te dos outros, porque foi assim que te tornas-te único.
    E acredita, que por muito pouca vez que venhas, jamais deixes de ir vindo, porque vale bem a pena encontrar-te em cada linha que escreves.
    Bjs***de mim...

    ReplyDelete
  55. talvez o melhor texto que li teu...tudo porque são duas coisas que adoro. Uma, como sabes, é a rádio, fonte de alimentação, prazeres, realização pessoal, misticismo e magia silenciosa.
    outra é obviamente o silêncio que devo confessar aprecio bem mais que tu pelo que percebi.
    A relação rádio/silêncio foi muito bem sacada. Antagonismos e complementariedades em duas coisa que considero essenciais na minha vida.
    (não escrevi isto em silêncio, antes a ouvir Wax Taylor que te aconselho pessoalmente)
    Grande Abraço e até breve.

    Nelson Ferreira

    ReplyDelete
  56. Entendo cada palavra que escreves aqui. Tenho uma incapacidade enorme, não sei pausar no silencio, nem que seja com um espirro, tenho que o eliminar, detesto o silencio. Smile

    ReplyDelete
  57. "mas a rádio ... a rádio é de facto diferente."

    se é!


    eu não comecei a fazer rádio aos 13, como tu...
    aos 18 tive de escolher um curso.
    optei por Comunicação Social, tendo em conta aquilo que gostaria e me imaginaria a fazer, tendo em conta tb a abrangência do agrupamento Científico-Natural.
    acabei por descobrir uma paixão: a rádio!
    mas em informação.
    só não sei se irei conseguir trabalhar no meio... está mto difícil...
    mas, sem dúvida que seria a minha realização!


    quanto ao silêncio:
    não tem de ser ensurdecedor.
    pode ser apaziguador, reconfortante, mágico até!
    é aquilo que quisermos fazer dele. ;)

    ReplyDelete
  58. As melhores conversas que já tive decorreram em silêncio absoluto. Foram momentos sem palavras...

    ReplyDelete
  59. É preciso paz e serenidade para suportar o silêncio. Aliás, diz-se que uma prova de amor é conseguir estar com outra pessoa, confortavelmente, em silêncio.
    De qualquer forma, obrigado pelos momentos de não-silêncio, companhia e bom humor nas viagens de carro. Para nós, comuns anónimos, a tua existência tem inportância e isso diz tudo.

    ReplyDelete
  60. Alvim,

    Não consigo mais conter no silêncio o quanto te acho fantástico :D

    És a minha companhia de viagem de regresso a casa...prefiro-te quando venho de norte ou sul...estás mais tempo e não é tão embaraçoso. Quando venho de Lisboa, aí sim é mais embaraçoso, pois sinto-me observada pelos outros automobilistas e menos à vontade para soltar uma gargalhada - mas são muitas as vezes que desacelero para não chegar antes de te despedires.

    E fico contentissima por saber que me "imaginas", pois se ja percorria o País, sentido-me privilegiada por ter a oportunidade de observar ambiências tão distintas, ter tempo para reflectir, ouvir rádio e divertir...e ainda sair com um enorme sorriso no rosto, por ti, estampado.

    Foi "um prazer dos diabos" descobrir o teu blog, e depois este teu texto,...senti que tinha que ser igualmente generosa contigo.

    Continua assim Alvim...bem disposto...desconcertante...surpreendente...divertido...afectivo...generoso...e acima de tudo...a emanar uma energia fantástica.

    beijinhos

    Leonor

    ReplyDelete
  61. Quem é a felizarda?

    Estarei eu a notar algum sentimento forte por alguém? Estarás apaixonado? E ela assustou-se com a ausência dos teus disparates?

    Beijos

    ReplyDelete
  62. em relacao ao terceiro paragrafo: sou igual e sinto o mesmo. somos os palhacinhos, para o bem e para o maL! revela bom coracao!!

    ReplyDelete
  63. "O silêncio é um amigo que nunca trai." (Confúcio)

    concordo contigo o silencio tem um grande mistério, o silencio pode ser revelador de grandes coisas, mas é demasiado extremista para o meu gosto, pois faz reflectir muito sobre a vida e isso eu evito a todo custo!!

    ReplyDelete